O histórico da atuação do PT prima pela intolerância e por afirmações duvidosas. Por 20 anos, foram atitudes de votar contra por simplesmente ser do contra e “criar o caos para tomar o poder”. Expulsaram “companheiros” que por honrar a sua biografia democrática, votaram a favor de tal ou qual emenda ou lei de outro partido. Ações que lembram certo regime caribenho: quem é contra- “paredòn”.
Dirigem nosso país há sete anos, obrigando-nos a ouvir refrões como: “Nunca se viu antes neste país”, fazendo “tabula rasa” da nossa história. Omitem programas de governos anteriores, despejam demagogias e se enroscam no mensalão.

Agora querem comparar governos. Oferecemos a todos alguns dados econômicos comparativos e comentários sobre a política externa do PT.
Assim, os petistas deveriam lembrar:

1) O mundo foi muito mais instável no período PSDB, neste, foram quatro crises econômicas contra uma do PT.

2) O PSDB instalou os programas da rede de apoio social aos desempregados e às famílias brasileiras. Os petistas surfaram na onda. Nada de errado, só se esquecem de registrar que a paternidade é do PSDB.
Outros pontos também esquecidos:

3) A dívida pública do governo FHC em setembro de 2002 era R$ 800 bilhões porém, Lula legará um montante de dívida de R$ 1 trilhão e 500 bilhões.

2) FHC herdou 583 mil funcionários de Itamar, Lula herdou de FHC, 485 mil. O legado petista será de 600 mil funcionários, portanto, 125 mil a mais.

3) Na época do PSDB, o salário mínimo aumentou 185,71%, enquanto que na era PT, aumentou 155%.

4) O índice de desenvolvimento humano da ONU indicou para o governo PSDB, um aumento anual de 1% e na era PT, o aumento foi de 0,41%, ou seja, 60% menor.

5) No período do governo PSDB, o consumo de carne (proteína) expandiu-se a 1,5% ao ano, na era PT o aumento foi de 0,66%.

6) Educação:
a) A taxa de crianças fora da escola na era PSDB caiu de 25% para 7%.
b) O índice de analfabetismo no período PSDB caiu de 11,4% para 4,2%, na faixa etária de 10 a 14 anos. No governo do PT, a média de redução foi de 2,6% ao ano, enquanto que na era PSDB foi de 3,5%.

7) O PT prometeu crescimento de 5% em 2009, ou seja, depois da eclosão da “marolinha”, crise menosprezada pelo PT. Na verdade, o PIB recuou: negativo em 0,2%. Fato que não ocorria há 17 anos. O PSDB enfrentou quatro crises mundiais e o PIB nunca foi negativo.

8) Durante o governo PT, o nosso crescimento foi de 27,9%. Somos 18 países na América Latina e ficamos em 13º lugar.

9) A média anual da produção de petróleo no período PSDB aumentou 10% ao ano, já nos tempos petistas, o aumento foi de 3%.

10) No período PSDB, em 2002, a Petrobrás tinha 45 mil empregados e 100 mil terceirizados. Em 2008, no governo Lula, os números são outros: 85 mil empregados e 300 mil terceirizados.

Quanto à política externa:

1) O PT fracassou na tentativa de ganhar uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU. Sabe quanto nos custou os perdões de dívida de países pobres que iriam votar a favor do Brasil? Pelo menos US$ 680 milhões. Perdoamos e perdemos. O PT também abriu 39 novas embaixadas com essa intenção, além de facilitar a entrada de importações chinesas, prejudicando nossa balança de pagamentos.

2) Por que apoiar China, Cuba, Coréia do Norte, Sudão, Miamar, Sri Lanka, Venezuela e Irã, os seis primeiros países desrespeitam rigorosamente os direitos humanos, o sétimo uma república caudilhesca e o oitavo é o precursor do novo nazismo?

Ronaldo Bianchi

Em 1995 a Secretaria de Estado da Cultura deu início ao Projeto Guri com o intuito de promover a inclusão social e cultural de meninos e meninas por meio do ensino coletivo da música. Desde o começo, o Projeto obteve excelentes resultados, tornando-se referência no desenvolvimento da auto-estima de centenas de crianças e adolescentes de todo o Estado. O Projeto Guri oferece gratuitamente diversos cursos de instrumentos musicais, como violino, violoncelo, saxofone e percussão, além das aulas de canto coral, teoria e iniciação musical.

No mesmo ano da implantação do Projeto, 180 crianças e adolescentes realizaram sua primeira apresentação, surpreendendo a todos da plateia com obras de Beethoven, Villa-Lobos e Ravel no repertório. Alguns meses antes, na Oficina Mazzaropi (atualmente Pólo Amácio Mazzaropi), localizado no bairro do Brás, em São Paulo, estes jovens haviam passado por seu primeiro contato com o mundo da música.

O segundo passo do Projeto Guri foi a criação do primeiro pólo na Fundação Casa, na Unidade do Complexo Tatuapé, em 1996, mantendo sua proposta de oferecer atividades focadas no desenvolvimento da concentração, da disciplina, do trabalho em grupo, da respeitabilidade e a apuração da sensibilidade.

Em 1997, foi constituída a Sociedade Amigos do Projeto Guri, hoje Associação Amigos do Projeto Guri, para colaborar com o desenvolvimento do Projeto ao estabelecer uma parceria entre Estado e iniciativa privada. Assim, em junho de 2004, a Associação foi qualificada como uma Organização Social de Cultura e, em novembro do mesmo ano, passou a gerenciar o Projeto.

Treze anos depois de seu início, o Projeto Guri administra hoje 366 pólos em 301 municípios do Estado e foram realizados 48 mil atendimentos. Em 2007, o governo do Estado promoveu uma profunda reformulação no Guri – a AAPG elegeu uma nova presidência e recebeu novos conselheiros. Para garantir a qualidade do ensino aos seus 40 mil alunos, o Projeto Guri cria novos postos de trabalho nos pólos, com a contratação pelo regime CLT de 1700 profissionais.

Numa primeira etapa, concluída em janeiro de 2009, foram contratados 342 coordenadores de pólos em regime CLT. Profissionais que foram devidamente capacitados e iniciaram suas atividades em fevereiro. A segunda etapa do processo, que começa agora, será concluída em agosto.

Em um ano marcado por uma crise financeira em escala mundial e cheio de incertezas econômicas, a Secretaria de Estado da Cultura abre postos de trabalho, valoriza os profissionais da cultura e garante ensino de qualidade de música em todo o Estado.

Ronaldo Bianchi