Posts

Discutir o papel do Estado é um assunto árido. Farei o possível para não ser chato e discursivo.

A verdade que não podemos dispensar o Estado nas condições contemporâneas. Fica mais fácil colocar nossas expectativas para que haja alguma harmonia. Quais os pontos de mínimos de apoio?

  • Organização de sistema tributário que traga contribuição para o desenvolvimento.
  • Operações que favoreçam a isonomia social de oportunidades.
  • Organismo de representação eficiente para os nossos interesses nas esferas internacionais.
  • Garantia de estabilidade institucional.
  • Equilíbrio entre os poderes.
  • Assegure a Integridade do Territorial.
  • Reequilibre assimetrias econômicas, sociais e étnicas.
  • Proteja os Direitos Humanos na sua plenitude.
  • Acerte as contas com os malfeitores rapidamente, mas sem o pânico da injustiça.
  • Implante mecanismos de rearticulação que impeçam articulações de privilégios para determinadas categorias sociais, profissionais, grupos econômicos e a representação do crime organizado.

Parece pouco, mas nas condições atuais, prevalece a fisionomia de um Estado a cada dia mais deformado e a favor de minorias que se apropriaram dos processos decisórios, levando ao desespero a maioria da população.

Chega a ser inacreditável que no século XXI, com todo o avanço tecnológico e de comunicação não temos no Brasil um sistema universal que funcione para o saneamento básico, educação e saúde.

Sem falar na apropriação de cargos e funções em empresas e órgãos estatais como forma de barganha política para o poder executivo empreender as suas funções. Um toma lá dá cá escancarado e impune. Na frente de toda a nação. Ficamos impotentes em emplacar uma revolta e dar um basta neste constrangimento nacional.

A cada dois anos elegemos representantes para os poderes executivos e legislativos. Porém, o passo não se acerta. O povo vota certo, mas os políticos decepcionam. Aí, começa o processo de desconstruir a democracia e a clamar o exercício de um Estado autoritário que pudesse dar um basta aos governos de castas.

Funcionará? Não creio, já vivemos alguns períodos autoritários e nunca deram certo. Parece que nosso trabalho consistirá em prover novos mecanismos de conformidade, lastreados por um quarto poder, onde para cada movimento fora do que seja melhorar coletivo seja impedido.

Sinto as dores, sofro as consequências e não creio no autoritarismo para resolver as causas. Sugestões em aberto.

 

Ronaldo Bianchi

 

 

Já faz um tempo que a sociedade ocidental adotou comportamento que lentamente tem se revelado dominante:  a preservação do meio ambiente e da vida do nosso planeta. Aso poucos estamos sendo levado à produção de bens com danos ambientais reduzidos ou próximos de zero e consumo consciente. Há uma exigência para o consumo de alimentos rastreados da origem a mesa. Somos a cada dia mais impulsionados para reduzir desperdícios, realizar a reciclagem das sobras de nosso consumo e respeitar o próximo.

As empresas de todos os setores se engajarão, cedo ou tarde no processo de ESG – sigla que define garantir: (E – de Enviroment) manter o meio ambiente saudável e equilibrado, (S – Social) ações positivas para a sociedade do seu entorno e até onde sua influência alcance. Respeito à diversidade, à raça e a conduta de igualdade entre os sexos e sobre a sociedade onde atua. (G – Governance) onde a empresa seja conduzida para uma relação ética, equilibrada com padrões de atendimento às leis e códigos sociais estabelecidos de respeito ao próximo com clientes, fornecedores, consumidores e a sociedade.

O conceito de desenvolvimento mudou. Está consumado o caminho pela garantia da vida humano no planeta. Os fundos de investimentos internacionais como os governos de boa parte do mundo reconhecem o perigo do aumento da temperatura do planeta. A opção está em alterar a matriz energética de produtora de carbono para carbono zero. Assim novas energias serão empregadas para produzir bens recicláveis e salutares. As antigas práticas de consumo a qualquer preço tem seus dias contados. Quem produzir destruindo não avançará.

O desenvolvimento local e regional será cada dia mais presente. A tecnologia propiciará uma produção econômica de escala menores. A produção de alta escala para ser econômica a cada dia dará lugar para a produção automatizada, peculiar e sob demanda das regiões. O objetivo é transporte de longa distância para algumas matérias primas, mas a produção do consumo se realizar na localidade e na região. A patentes de processo criativo será mais demandado como a melhora intensiva de educação cognitiva e digital. A educação a favor da alfabetização universal sobre o conhecimento técnico será equilibrada com a formação das humanidades.

O saneamento básico, saúde e habitação seguirão na mesma conduta: universal e não poluente. Os projetos de valorização da água como bem escasso serão relevantes. Tratamento de resíduos e dejetos tomarão a atenção e atitudes da sociedade. Os governos serão obrigados a reconhecer o emprego de propostas de atendimento à saúde da população. Remédios, procedimentos, tratamentos, operações a preço acessíveis. O mesmo acontecerá com as habitações. Haverá um enorme esforço de repactuação fundiária e reurbanização de bairros. O mundo avançará, como sempre avançou desde a era paleolítico. Seguimos entre avanços e recuos.

O que hoje nos diferencia das outras eras? A comunicação. O mundo encurtou a segundos a diferença entre saber o acontece a milhares de quilômetros. Mesmo com a censura em muitos países sabemos o que acontece. O combate a ignorância será vencido pela comunicação. Hoje qualquer pessoa pode ter seu canal de TV. O YouTube oferece esta alternativa. O que diferencia o seu canal dos outros. Alcance pela legitimidade, o volume organizado das informações, emprego de técnicas de registros, a gestão da rede de colaboradores, o impacto de causas e relatos.

Os canais regionais serão mais importantes que as grandes redes nacionais. A revolução dos costumes e comportamento acontecerá na conscientização dos locais. Estarão na difusão dos bons e maus exemplos do cotidiano. O controle dos gastos públicos será aferido com mais frequência e participação da sociedade quanto a prioridades. O nacional será dedicado a política econômica, social e defesa.

O regional determinará o que precisará ser feito. Nesta condição, os elementos de canais regionais de comunicação passam a ter a imensa responsabilidade para agregar os interesses para o progresso. Será fator decisivo para separar as castanhas das suas cascas. Serão a garantia da democracia, preservação de boas condutas e da qualidade de vida de todos.

 

O mundo será melhor com a consolidação da Comunicação Regional.

 

Ronaldo Bianchi

 

post-ronaldo-empresanacrise

Quando a crise bate nas organizações a direção procura saber quem é o culpado ou em quem vai colar a culpa. De monarcas a patrões a retórica é sempre a mesma. O mais importante seria entender o “por que chegamos a esta situação” e não quem nos fez chegar a esta situação. No fundo sabemos quem se omitiu e fingiu que não viu. Não há inocentes no fracasso. Só o sucesso tem dono. Diante desta premissa, como resgatar a autoconfiança para mudar? Não existe uma única resposta. Dependerá do tipo de empresa e cultura. São vários caminhos para cada tipo de empresa. Neste artigo foco a pequena e média empresa familiar.

Quando as condições da irregularidade da gestão da economia levam a mudanças significativas?

Por exemplo, quando o câmbio está artificialmente sobre valorizado por um grande período a indústria é abalada em seus alicerces. Preços e custos não dialogam. Para o reequilíbrio cabe avaliar o que deixar de produzir, o que importar e distribuir. Não tem saída. Remar contra a maré é desmobilizar patrimônio ou reservas para tampar buracos mensais dos caixas arrombados. Não há possibilidade para o resgate do equilíbrio financeiro onde reina a insensatez governamental para aplacar uma possível inflação de demanda. Foi o que vivemos por treze anos.

Quando os assuntos se sobrepõem. Câmbio e negligência.

Além da sobre valorização cambial a empresa não cuidou da renovação de produtos e das suas operações. Aí a crise é acelerada pela ineficiência ou ineficácia da direção. Quem não fica atento nas potencialidades da concorrência internacional, nas novidades de processos mais automatizados e na sua cadeia de negócios pode ir à recuperação e depois a falência com muita rapidez. Dois anos e bum! Estourou.

A empresa perdeu competitividade

A maioria dos empresários não percebe que seus negócios estão localizados em zonas de combate. Onde há franco atiradores e/ou artilharia pesada. Precisa definir seu foco se seguirá pelo caminho do nicho. Onde o que importa é o valor percebido da sua marca. O outro é o caminho da commoditie, onde o que importa é o custo e não o valor percebido. Portanto, a empresa de nicho perderá competividade quando os seus produtos perderão a singularidade. A marca perdeu o valor para o mercado que atendia. Se a opção for commoditie, o que importa é sempre produzir pelo menor custo. Altos índices de produtividade, estrutura enxuta e expressivos volumes. Só assim se manterá vivo.

A sucessão.

A prole cresce e a família começa a pensar onde seus descentes irão trabalhar. A preocupação é legitima: encaminhar a prole. A prole casa. Chegam as noras e depois os netos… A pergunta que se coloca é: A prole quer ou tem potencialidade para dirigir os negócios familiares? É uma pouco trivial e um percurso árduo. Os empresários sábios encaminham logo cedo os potenciais para estudarem em primeiro lugar. Gente sem estudo ou conhecimento pode dar certo, mas são poucos. Trabalharem fora da empresa. Procurarem seus caminhos. Fazerem o que gostem e tenham realização. Se acontecer isto é um bom caminho para em algum momento a liderança familiar convidar alguém para a sucessão.

Colocados estes pontos, como superar crises?

  • Definindo o foco da empresa é fundamental. Saber o que faz a e para quem. Qual seu posicionamento nicho ou commoditie.
  • Não culpando ninguém. Procurar associar a dificuldade pela qualidade da sua agilidade em perceber as mudanças do ambiente. O que fazer a partir do que tem pela frente. O passado cobra cargas pesadas para o futuro. Portanto não vacilar em mudar e rápido mesmo que intuitivamente. Quem vacila dança.
  • Não apostando na prole. Pense bem, se não seria melhor vender do que criar uma sucessão. Se não seria melhor construir outras empresas para os sucessores ou garantir uma carreira para eles. Só faça a sucessão se garantir que o sucessor tenha talento para tocar o negócio da família na situação presente com olho no futuro.
  • Não acreditando em governo. Confie no seu “taco”. Se as medidas forem a favor melhor. Pense sempre que o governo não é seu sócio contribuinte. Ele é um fardo na sua vida.
  • Não pensando que banco salva alguém. Ele suga suas energias. Pode ser uma bengala até sua recuperação, mas se pensa que poderá tocar o seu negócio se alavancando saíra perdendo. O banco sugará sua seiva e cuspirá seu talo.
  • Não ouvindo os puxa sacos, os aproveitadores e fofoqueiros. Crie um ouvido seletivo. Na dúvida substitua. Não gaste dinheiro com investigação de um sujeito. Gaste se perceber que está cercado por uma quadrilha.
  • Trabalhe com indicadores.
  • Crie mais soluções para ganhar mercado do que para resolver problemas.

Os empresários precisam estar cientes que a vigilância para o sucesso. É fundamental não aceitar as primeiras informações como verdadeiras e checar sua fonte como examinar o conteúdo das informações. Montar um painel de indicadores é essencial, como uma lista de tarefas a cumprir. Sem acompanhamento nada dará certo.

Ronaldo Bianchi

post1-bea

Há pelo menos três fatores que alteram os resultados empresarias: a) o rumo da macroeconomia, onde o empresário não tem controle da situação, como as decisões sobre política fiscal, a política cambial, a política de juros, entre outros; b) a situação do setor ou ramo empresarial, com alguma possibilidade para o empresário alterar seu posicionamento, como a interferência de uma regulação, alteração de legislação, concorrência predatória, crise setorial etc; c) as condições peculiares da empresa, fator de inteira e total responsabilidade do empresário – aqui, as situações adversas podem ser causadas pelos fatores externos, mas no maior número das vezes são usadas como desculpa pelos tropeços da hora. Podemos citar: má aplicação dos recursos, endividamento por má gestão, estagnação mercadológica e tecnológica, processos sucessórios mal conduzidos, desavenças societárias, entre outros.

Quando, então, devemos procurar melhorar resultados?

Sempre. Esteja o mercado em alta ou em baixa. O que normalmente acontece nas empresas é aplicar mal os recursos. Há uma infinidade de livros de autoajuda, livros e fábulas que justificam poupar para o futuro. O que normalmente acontece, e poucos se dão conta, é a volatilidade dos negócios.

Na economia das empresas devemos aplicar um pacote mínimo para criar um cenário positivo de trabalho. Onde a dinâmica da gestão dos processos, recursos humanos e portfólio de produtos é a chave do sucesso. Para que isto aconteça algumas premissas devem estabelecidas:

1) Definição do foco. Uma empresa deve fazer o que tem de melhor. Dar lucro. Oferecer um “faz tudo ou fazemos qualquer coisa que o cliente quiser”, com certeza, não dará certo. Concentre-se no seu melhor e reúna os melhores para realizar as funções dos processos exigidos, para que a oferta de serviços e produtos cumpra com a promessa central da empresa.

2) Atue nos custos, zelando pelo caixa. Tem uma frase eleita como a mandatória da gestão financeira: “O caixa é rei”. Nesta condição a chave está no processo decisório para comprar os insumos, prestação de serviços, realizar investimento, pagar salários e remunerações. Há metodologias que devemos aplicar: a) Criar um orçamento anual com atualização mensal; b) Fazer um fluxo de caixa e c) Criar um comitê de caixa, onde todas as contratações devem ser avaliadas. Retirada dos sócios somente sobre o lucro ou um pró-labore se realmente trabalham e trazem resultados. Empresas que atuam em mercados saturados, com ampla concorrência, não podem ter o luxo de “merecer” excessos.

3) Atue nas vendas com metodologia. Vender para os clientes pagadores, com lucratividade e explorar alternativas para criar novos mercados dentro dos produtos ou serviços da organização. Devem definir conceitos de exploração como: tipologias, áreas geográficas e buscar os melhores padrões para apresentarem o que oferecem. A supervisão das equipes, quando existirem, é mandatória.

4) Incentive as equipes e as pessoas. É “normal” o vendedor encontrar zona de ganhos confortáveis. É neste momento que a supervisão deve avaliar como tencionar a relação, aplicando um conjunto simultâneo de incentivos. Porém, eles devem ser ampliados para todos os centros, unidades e pessoas da organização. Reduzir custos, criar novos produtos e serviços devem ser recompensados.

5) Considere relevante as emoções nos processos de mudança. As pessoas têm sentimentos. Não aplique a todas as mesmas formas de abordagem. Será um fracasso. Investigue, pesquise como abordar cada um de seus colaboradores. Se precisar demitir um grupo, faça-o de uma única vez e explique os motivos para quem saiu, bem como para quem ficou. Reconheça as lideranças informais e respeite a cultura local.

Ronaldo Bianchi