A América tornou-se potência quando definiu grandes metas e abraçou oportunidades. A primeira grande sacada foi garantir uma educação média universal, currículo nacionalizado e importantes centros universitários.  Antes disto, criou uma malha ferroviária de costa a costa. A produção agrícola dos rincões chegava aos grandes centros e em contrapartida recebiam as manufaturas necessárias.

Depois o governo americano aceitou a monopólio da ATT com uma meta simples: “um telefone preto na casa de cada americano, em cinco anos.” Fizeram uma segunda revolução nas comunicações e nos negócios. Chegaram oportunidades pelo telefone e os equipamentos como o telex. Depois chegaram o fax e um pouca mais tarde os computadores de mesa.

O próximo passo foi a chegada da era digital com smartfones, tablets e laptops, sem perder os meios mais antigos. Vimos como foi maravilhoso vivermos a era digital no momento de pandemia. O que fez resistir a economia foi a tecnologia digital e a logística. Parece que muitos processos e postos de trabalho resistiram a pandemia porque existiu um patamar operacional digital mínimo. A conectividade, portanto, deve ser elemento de prioridade para qualquer governo. Se não existisse viveríamos uma hecatombe econômica e não uma recessão.

Portanto, parece cada dia mais evidente que precisamos montar um sistema para criar empregos, matar a fome, deixar de poluir e incluir toda a população na era digital.

Qualquer organização social, governo ou empresa deveria ter como prioridade armar a população e seus grupos de interesse com dispositivos móveis e acesso ilimitado na rede mundial. Cabe a todos melhorar o padrão de vida da população, para que passe a explorar suas possibilidades e alcançar serviços universais básicos: educação, saúde e saneamento aliado a qualidade de vida. A era 5G fará a segunda revolução digital.

Por onde começar a efetiva revolução digital?

  • Infraestrutura: Acesso universal para a rede mundial. Neste caso examinar a malha de oferta por critérios de densidade populacional e renda. Cobrir as periferias mais pobres é prioritário. Cabe angariar recursos para o investimento das companhias que exploram a rede das mais diversas maneiras. Afina serão beneficiárias diretas do acesso.
  • Educação: Qualquer estudante deve ter um dispositivo de acesso para alcançar uma boa formação. A melhor educação é hoje oferecida por conteúdos digitais. Incluindo a disponibilidade dos livros didáticos.
  • Saúde: Disponibilizar informações por banco de dados. Marcar consulta por meios remotos é o mínimo que a população deve ter como disponível. Deveríamos incentivar consultas remotas para uma avaliação prévia da situação do paciente. Encurtaria tempo, reduziriam custos e salvariam vidas. Só casos específicos e urgentes deveriam ser ter atendimento presencial.

Transparência de processos: Inconcebível neste momento, qualquer o governo não disponibilizar a integralidade de seus atos e contratos. A corrupção em compras de bens e serviços está com seus dias contados.

 

Ronaldo Bianchi

 

 

0 Comentários

Deixe um Comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *